segunda-feira, 29 de março de 2010

Formatura Ciências Contábeis | 2009

SOLENIDADE DE FORMATURA

Faculdade: Faculdade Anhanguera de Joinville - Unidade 1
Curso: Ciências Contábeis
Data/Local: 12 set. 2009 - Sítio Novo - Joinville/SC
Empresa: Consoli Eventos

Agradecimento a Comissão de Formatura, a Empresa Consoli Eventos e demais formandos, pela lembrança e reconhecimento pelo trabalho desenvolvido nessa turma em que estive presente na concepção e planejamento do sonho de se formarem em Ciências Contábeis; onde pude ter a honra e a emoção de apresentar este evento.
Obrigado e sucesso a todos.

quinta-feira, 25 de março de 2010

1ª Turma Formada no CST em Eventos do Brasil

Uma homenagem a todos os Tecnólogos em Eventos da turma 2012A de 2005 - IESVILLE, por completarem nesta data 4 anos de formação. Parabéns e sucesso a todos!
Fonte: Arquivo Pessoal / Foto-Convite - 2005
Fonte: Jornal A Notícia - 25 mar. 2006
Fonte: Jornal Comunidade Iesville - Jun. 2007
Vídeo de homenagem a turma 2012A - Eventos

domingo, 21 de março de 2010

Mercado de Eventos

O crescimento do mercado de eventos ao mesmo tempo em que cria oportunidades, acaba tornando-o competitivo e ao mesmo tempo exige uma profissionalização em conceber, planejar e executar os eventos para que se tenha resultados surpreendentes.

O mercado de eventos é formado 90% por pequenas e médias empresas e conta com profissionais cujo domínio da expertise é cada vez mais preponderante.

O planejamento estratégico, um banco de dados estruturado; o domínio de idiomas e a excelência na prestação de serviços são alguns aspectos relevantes no desenvolvimento da atividade.

O peso do setor de eventos no Brasil acentua-se nos últimos anos, cujo papel significativo é comprovado pela 7ª. posição no ranking da ICCA como o país que mais recebe eventos internacionais no mundo.

Outro fato marcante do setor de eventos é o reconhecimento como uma das seis atividade econômicas relacionadas à cadeia produtiva do turismo, inserida na nova LGT.

A regulação da atividade é uma vantagem atribuindo tão somente às organizadoras de eventos o direito de exercício da profissão. Consideram-se as empresas organizadoras todas as empresas que tem como objeto social a prestação de serviços de gestão, planejamento, administração, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos.

O cenário apresentado é complementado pela área acadêmica que cada vez mais enfatiza a importância do setor por meio da estruturação de cursos de gradução e especialização de eventos, bem como na promoção de pesquisas e debates entre profissionais. Isto respalda o mercado quanto ao suprimento crescente de mão de obra qualificada.


Fonte: http://www.abeoc.org.br. Acesso em: 21 mar. 2010.

Legislação sobre a atividade de eventos

A atividade de eventos é regulada pela Lei nº 11.771 de 17 de setembro de 2008 que dispõe sobre a Política Nacional de Turismo, define as atribuições do Governo Federal no planejamento, desenvolvimento e estímulo ao setor turístico e disciplina a prestação de serviços turísticos, o cadastro, a classificação e a fiscalização dos prestadores de serviços turísticos.

Com base na LGT – Lei Geral do Turismo somente poderão exercer a atividade no setor de eventos as denominadas Organizadoras de Eventos.

A maior conquista desta lei, é sem dúvida, que o setor de eventos é reconhecido e considerado uma atividade econômica na chamada cadeia produtiva do turismo ao lado da hotelaria, agências de turismo, transportadoras turísticas; parques temáticos; e acampamentos turísticos. Mais informações vide Lei 11771/08.

Em conformidade com o Decreto 5406/05 o Ministério do Turismo realiza o Cadastro dos Prestadores de Serviços Turísticos, em parceria com os Órgãos Oficiais de Turismo Delegados de competência nas 27 Unidades da Federação (UF).

A ferramenta utilizada para este cadastro é o CADASTUR - Sistema de Cadastro dos Empreendimentos, equipamentos e profissionais da Área de Turismo. Apesar de estar em funcionamento desde junho de 2006, a partir da LGT de 2008, tal cadastro tornou-se obrigatório e contempla os prestadores de serviços turísticos constituídos na forma de empresário individual, as sociedades empresárias, sociedades simples e os serviços sociais autônomos que prestem serviços turísticos remunerados e que exerçam atividade econômica relacionadas à cadeia produtiva do turismo.

Fonte: http://www.abeoc.org.br. Acesso em: 21 mar. 2010.

PARTE INTEGRANTE DA LEI Nº 11.771/08.

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

Subseção V

Das ORGANIZADORAS DE EVENTOS

Art. 30. Compreendem-se por ORGANIZADORAS DE EVENTOS as empresas que têm por objeto social a prestação de serviços de gestão, planejamento, organização, promoção, coordenação, operacionalização, produção e assessoria de eventos.

§ 1º As empresas ORGANIZADORAS DE EVENTOS distinguem-se em 2 (duas) categorias: as organizadoras de congressos, convenções e congêneres de caráter comercial, técnico-científico, esportivo, cultural, promocional e social, de interesse profissional, associativo e institucional, e as organizadoras de feiras de negócios, exposições e congêneres.
§ 2º O preço do serviço das empresas ORGANIZADORAS DE EVENTOS é o valor cobrado pelos serviços de organização, a comissão recebida pela intermediação na captação de recursos financeiros para a realização do evento e a taxa de administração referente à contratação de serviços de terceiros.

Consulte a Lei na íntegra
Fonte: http://www.abeoc.org.br. Acesso em: 21 mar. 2010.

sexta-feira, 19 de março de 2010

Endomarketing

O Endomarketing surgiu em meados da década de 1970, a partir da necessidade de se desenvolver alternativas para encantar os clientes internos das empresas, isto é, os funcionários. Essa idéia fundamentou-se na consolidação de imagem corporativa para os colaboradores, motivando-os ao trabalho.

Pois se a empresa espera atingir objetivos lá fora, precisa se certificar que todos nela estão comprometidos com esse objetivo.

Os últimos anos têm se caracterizado por mudanças profundas no ambiente econômico e político; estas mudanças, por sua vez, afetam significativamente as organizações no que diz respeito às relações entre trabalhadores e empresa, ao processo de produção, as estruturas ocupacionais e ao treinamento, aos esquemas de recompensa e, por fim, aos padrões educacionais e as habilidades exigidas.

Neste sentindo, o sucesso das organizações hoje está ligado, mais do que nunca, a fatores que vai muito além da manutenção de uma prática gerencial tradicional que enfatiza uma simples logística de pessoal, cujos gestores apresentam unidades ou departamentos de cunho administrativo caracterizados por forte burocratização e escassa capacidade de inovação.

O Endomarketing, política que se volta à valorização dos empregados, merece toda a atenção que se presta às políticas orientadas ao público externo, visto que a satisfação das necessidades e desejos dos trabalhadores os habilita a satisfazer as necessidades e desejos de seus clientes.

A disseminação do conceito de Endomarketing e de cliente interno é significativa e relevante para desempenho das atividades organizacionais, em específico, aquelas relacionadas à gestão de pessoas. Desta forma, o Endomarketing passou a contribuir para a valorização do público interno e sua importância estratégica, maximizando fluxo de comunicação e relacionamento entre colaboradores.

Endomarketing é a visão do empregado como cliente e visão de cargos como produto e a partir daí um esforço para oferecer um produto interno que satisfaça os desejos e necessidades destes clientes, enquanto se procura atingir os objetivos da organização.

Portanto, as empresas estão começando a perceber a relevância de seus funcionários para que possam atingir seus reais objetivos. E tanto pode ser verdade, que muitas delas estão implantando o Endomarketing, que tem uma alta capacidade de tocar o relacionamento de cada funcionário, a ponto destas mesmas organizações estarem dispostas a aceitar sugestões e reclamações dos consumidores internos. É a visão do funcionário como parceiro que é estimulado a envolver-se, dedicar-se, participando ativamente e de forma integral, do processo de tomada de decisões de modo a agregar valor às empresas e ao próprio conhecimento.

A comunicação e o Endomarketing se expandiram tanto, que hoje é fator preponderante para o funcionário perceber o quão ele é importante para o crescimento de uma empresa. Por esse motivo às empresas se utiliza de novos métodos e novas formas de comunicação que façam a diferença para o crescimento e desenvolvimento de seus colaboradores. O Endomarketing é o que estava faltando nas organizações para terem um maior relacionamento com seus funcionários de todos os setores, estimulando-os a manterem uma aproximação maior com os clientes no que se refere a um atendimento com produtividade e qualidade.

A importância do Endomarketing é tão grande, que visa um melhor entrosamento entre diversas áreas, por isso, é preciso uma união constante entre todos, pois o trabalho em equipe é fundamental para o progresso de desenvolvimento de uma organização, e também para um eficaz gerenciamento de informações entre todos os seus componentes. Esse novo conceito está ligado a uma nova abordagem do mercado, que está relacionado com um ambiente dinâmico, em que mudanças são freqüentes e fazem parte da rotina.

Trata-se da nova abordagem do Marketing a fim de atingir também os recursos humanos de modo que os funcionários das empresas, se motivados, se comprometem na obtenção de melhores resultados. Assim, o funcionário que está motivado com seu trabalho cria vínculos com a instituição, tornando os objetivos organizacionais os seus próprios objetivos, ou seja, vestindo a camisa para o pleno desenvolvimento e conquista de metas e resultados.

Acima de qualquer expectativa o Endomarketing é uma ferramenta responsável pela comunicação e transformação da imagem corporativa para os funcionários. Com essa ferramenta as empresas podem se vender efetivamente aos seus colaboradores a sua estrutura, objetivos, metas, mensurar expectativas dos clientes internos e a partir dos dados necessários, trabalhar a fim de prover as melhores condições de clima e interação entre os colaboradores.

O Endomarketing mostra que é uma ferramenta de marketing que veio para se consagrar como chave para os processos internos das empresas, trabalhando diretamente a motivação dos funcionários, ampliando comunicação, participação no aprimoramento dos serviços, e agregando valor para os clientes externos, seja na qualidade da prestação de um simples atendimento, seja na qualidade dos produtos e serviços vendidos. Isso significa que funcionários bem informados têm melhores condições de interagir e entender os objetivos das empresas, facilitando o percurso até o alcance das metas. Uma vez que estas metas sejam bem compreendidas, torna-se viável envolver pessoas no processo, para que atuem com empenho e dedicação em suas atividades. Tão ou mais importante que a comunicação em uma área, é levar as informações de forma mais rápida e objetiva a todos os colaboradores.

A satisfação do cliente interno é de extrema relevância para a obtenção de resultados satisfatórios junto ao cliente externo. Não é mais novidade, porém satisfazer pessoas não se constitui em tarefa fácil à medida que todos têm expectativas, vontades, necessidades e perspectivas distintas. Essa realidade não faz parte somente do ambiente externo às empresas, mas também do ambiente interno, o que também não é novidade. Seguindo esta lógica é importante perceber que as pessoas gostam de ser reconhecidas, respeitadas, bem tratadas e inseridas em um contexto social.

Dizer que um colaborador é importante no contexto empresarial pode ser interessante e até motivador por alguns dias, porém é preciso fazer com que o colaborador compre esta idéia, reflita sobre a sua participação nos processos, ou seja, é necessário convencê-lo efetivamente de que ele é importante, mas não para obter um sorriso momentâneo ou uma falsa expectativa e sim, para que o colaborador se veja como parte integrante de uma estrutura que agrega valor a empresa, ao clima organizacional e os clientes externos.

A motivação de funcionário para o trabalho não depende somente de um esforço particular dos colaboradores da base operacional. É muito importante que a motivação torne-se uma reação em cadeias. A alta gestão deve estar comprometida e motivada com os objetivos da empresa. Desta forma é possível que os funcionários vejam em seus gestores diretos ou não, pessoas que acreditam no que fazem e falam a fim de consolidar o comprometimento com a organização.

Além de todo o processo que envolve a motivação dos funcionários na obtenção de melhores resultados com base no comprometimento levado pela satisfação com o trabalho, é importante reconhecer publicamente um trabalho bem feito, verificar se o funcionário dispõe os melhores meios para desempenhar suas atividades, enfatizar a preocupação da empresa com os colaboradores e até mesmo recompensá-lo através de premiações e ações que elevem o moral perante a equipe de trabalho. Com isso as empresas, de certa forma, tornam o agente premiado um parâmetro de motivação para que outros possam, também atingir altos patamares em seus resultados.

BRUM, Analisa de Medeiros.
Endomarketing: como estratégia de gestão.
Porto Alegre: Editora L&PM, 1998.

CERQUEIRA, Wilson.
Endomarketing: educação e cultura para a qualidade.
Rio de Janeiro: Editora Qualitymark, 2002.

Curiosidades

A atividade Eventos teve suas origens na Antigüidade, com os Jogos Olímpicos de 776 a.C. / Olímpia na Grécia.

Posteriormente, outros tipos de eventos foram acontecendo e atravessaram diversos períodos da história da civilização humana, atingindo nossos dias.

A consolidação da atividade ocorreu no século XVII com a Revolução Industrial, realizando uma “Feira” que era um estímulo para a atividade comercial, existente desde a Idade Média.

No Brasil, o primeiro evento realizado em um local destinado à realização de eventos, foi um Baile de Carnaval em fevereiro de 1840 no Hotel Itália - RJ.

Após a Segunda Guerra Mundial, a partir da década de 50 a atividade de eventos tomou impulso, com a organização das classes profissionais e com o desenvolvimento do país.

Todo esse processo evolutivo provocou a organização do setor, causando o surgimento de entidades e associações especializadas para planejar e criar mecanismos de sustentação da atividade no país e no exterior.

Atualmente, o Brasil realiza um grande número de eventos, possuindo cidades que vivem praticamente da atividade.

MATIAS, Marlene. Organização de eventos. São Paulo: 2002.

Tipos de eventos

Os eventos são apresentados sob diversos tipos ou modalidades de acordo com sua natureza, fato gerador, público, objetivos, área ou local.

De forma ampla, são classificados em diversos segmentos apresentando suas principais características.

Entretanto, abaixo as características básicas dos principais eventos realizados, enfatizando de forma simples e objetiva alguns dos mais diversos eventos existentes que promovem o desenvolvimento de atividades complementares no processo administrativo.

AULA MAGNA

Tipo de evento que exige cerimonial apropriado. É o primeiro contato do acadêmico (calouro) no universo de uma faculdade, onde há uma palestra expositiva de um(a) renomado(a) empresário(a) ou político abordando um tema atual e significante para o público-alvo; seguido da apresentação da instituição e toda sua estrutura operacional e administrativa.

CAFÉ DA MANHÃ

Servido nas primeiras horas da manhã, compõe-se basicamente de uma variedade de itens, que podem conter bebidas (café, chá, chocolate, água e sucos) e alimentação (tortas, torradas, bolos, bolachas etc.).

COFFEE BREAK

Intervalo para o café, pois são oferecidos petiscos de rápido consumo (incluindo salgados, doces e bebidas) nas interrupções dos eventos, dispostos em mesas na saída das salas de reunião ou num canto dela.

COQUETEL

É a reunião social de pessoas na qual o serviço tanto pode ser feito por atendentes que circulam entre elas oferecendo A&B aos presentes, como estes podem se servir das comidas e bebidas dispostas sobre uma mesa ou bancada.

O coquetel caracteriza-se também como uma recepção simples pela informalidade dos serviços, liberdade e descontração no vestuário dos participantes.

CURSO

Este evento é dirigido para um público interessado, previamente inscrito e selecionado. Por meio de aulas, palestras e outros formatos; os participantes buscam aprendizado específico, com especialistas no assunto a ser abordado.

DATA COMEMORATIVA

São datas escolhidas para relembrar eventos históricos, conquistas importantes ou lutas que ainda estão sendo travadas por um grupo. Muitas delas possuem alcance internacional enquanto outras podem ser especificas para um país ou região; isto é, são atos em que se celebra ou homenageia uma profissão ou status.

ENCONTRO

É um evento que reúne pessoas de uma categoria para debater sobre temas apresentados por participantes convidados, e têm por característica a oposição de idéias sobre o mesmo assunto, objetivando apresentar trabalhos e estudos, além de trocar experiências relativas à área em questão.

EXPOSIÇÃO

É uma exposição pública de uma produção artística, industrial, técnica ou científica, isto é; é uma apresentação de objetos ao público sobre um tema específico.

FEIRA

É uma exposição organizada de forma que as empresas de um segmento específico possam expor e demonstrar os seus novos produtos e serviços. Algumas feiras são abertas ao público, enquanto outras só podem ser freqüentadas por profissionais do setor e membros da imprensa.

É um evento com eficácia comercial, por estabelecer o contato direto entre empresa e usuário. O principal objetivo de uma feira é proporcionar contatos com os canais de comercialização.

As feiras em ambientes institucionais normalmente acompanham eventos acadêmicos e de classe, objetivando aproximar o público técnico dos interesses comerciais das empresas expositoras.

FESTA

É um dos formatos mais importantes entre os eventos sociais. Uma festa é uma solenidade comemorativa destinada a pessoas ou fatos importantes. As variantes mais comuns de festas são as de aniversário, as de confraternização e as religiosas em comemoração a certa crença de certa religião.

LANÇAMENTO DE LIVRO

De natureza simples, na maioria das vezes, requer na arrumação do salão apenas mesas para autógrafos e para a venda do livro. A opção de A&B mais solicitada neste evento é o coquetel.

MOSTRA

Exposição com caráter circular, ou seja, itinerante, que percorre vários locais.

PALESTRA

Apresenta características de uma conferência com menor formalidade, consiste na apresentação de um tema para uma platéia com algum conhecimento sobre o tema. A palestra pode ser proferida sob a forma de uma simples narrativa de fatos ou por meio de um ciclo de palestras. Permite a participação da platéia com perguntas oral ou escrita durante ou após a explanação.

REUNIÃO

Consistem em contato direto de várias pessoas, normalmente de breve duração com uma pauta preestabelecida para discussão de fato, análise de situações e planejamento de atividades e trabalhos. A produtividade de uma reunião depende do relacionamento pessoal e técnico dos participantes e da capacidade de liderança do coordenador dos trabalhos para desenvolver a pauta e o andamento dos assuntos de forma ordenada, ágil e eficiente.

As reuniões caracterizam-se por apresentar em geral um ambiente de descontração e liberdade para a abordagem dos temas.

SEMANA

Designa o evento que, com a duração de sete dias ou de cinco dias (no caso de instituições) envolve os participantes em vários acontecimentos durante esse período. Pode ser acadêmico (reunião de estudantes, apoiada por profissionais e coordenada pelos professores) ou empresarial (atividades dedicadas a um único tema).

SEMINÁRIO

É um evento técnico ou profissional, administrado por um coordenador que domine o assunto. Reúne pessoas de mesmo nível e qualificação, as quais, estruturadas em grupos ou em salas menores, discutem aspectos técnicos de um mesmo tema. O assunto exposto é de conhecimento da platéia. Tem como objetivo fornecer e somar informações de temas já pesquisados. Divide-se em 3 fases: Exposição: orador previamente convidado, realiza uma pesquisa e leva a sua contribuição para o grupo; Discussão: o assunto em pauta é debatido e detalhado em todos os seus aspectos; Conclusão: quando um coordenador, polarizando as opiniões dominantes, propõe à aprovação do grupo às recomendações finais do seminário.

SHOW E APRESENTAÇÃO CULTURAL

Trata-se de uma apresentação para um público-alvo especifico, com o objetivo de oferecer entretenimento pela música, dança e atividades culturais.

DEMAIS EVENTOS

Os eventos que necessitam formas específicas para desenvolver com maior segurança as atividades, é baseado no conhecimento sobre o Decreto (Decreto nº 70.274, de 9 de março de 1972, que aprova as Normas do Cerimonial Público e Ordem Geral de Precedência) do Protocolo (regula o cerimonial, determinando a precedência, o tratamento e os lugares), as regras do Cerimonial (organização do evento) e as normas da Etiqueta (comportamento das pessoas), que aliados ao comprometimento e a atitude, possibilita ao profissional realizar uma cerimônia adequada, tornando que as personalidades (convidados) tenham a posição e o tratamento de direito, permitindo administrar a cerimônia conforme o planejado.

Jean Martins
Parte Integrante do Manual do Núcleo de Eventos
Setembro de 2007

Fases de um evento

CONCEPÇÃO

A concepção e planejamento de um evento deverão ser precedidos de estudo de viabilidade para análise das condições e capacidade da entidade promotora para sua realização.

O planejamento “é um processo administrativo que visa determinar a direção a ser seguida para alcançar um resultado desejado” (LACOMBE, 2003, p. 162).

O planejamento é uma ferramenta administrativa, que possibilita perceber a realidade, avaliar os caminhos, construir um referencial futuro, estruturando o trâmite adequado e reavaliar todo o processo a que o planejamento se destina.

Algumas de nossas ações necessitam de planejamento, mas muitas não. Em nossas atividades diárias, estamos sempre agindo, e antecipamos os resultados de nossas ações, mesmo que não estejamos completamente cientes dessa antecipação. Mas agimos com muito mais freqüência do que planejamos, explicitamente, nossas ações: poucas vezes temos consciência de estarmos executando um processo de deliberação antes da ação. Assim que tomamos conhecimento de uma ação, ou quando executamos comportamentos bem treinados para os quais possuímos planos previamente armazenados, ou quando o curso de uma ação pode ser livremente adaptado enquanto ela estiver sendo executada, então, geralmente agimos e adaptamos nossas ações sem planejá-las explicitamente.

Meirelles (1999, p. 37) considera o planejamento um “fator fundamental ao desenvolvimento de qualquer atividade e, de modo especial, para a organização de eventos, permitindo a racionalização das atividades, o gerenciamento dos recursos disponíveis e a implantação do projeto”.

PRÉ-EVENTO

É a fase essencial do evento, onde haverá a definição do projeto, o planejamento e o cronograma de todas as atividades, bem como o detalhamento de receitas e despesas esperadas.

EVENTO

Se a primeira fase for bem feita, a realização do evento tem grande possibilidade de ser um sucesso, pois haverá uma boa base para que a organização da estrutura operacional do evento possa acontecer sem grandes problemas. Nesta fase, há a montagem do evento no local escolhido e a operacionalização do atendimento ao público-alvo; ou seja, a execução.

PÓS-EVENTO

Caracteriza-se pela desmontagem de toda a estrutura montada na fase anterior, dos acertos financeiros e dos pagamentos dos fornecedores. Devolver todos os materiais e equipamentos utilizados; e realizar os relatórios referentes aos processos administrativos e de desempenho do evento. Nesta fase é realizada a avaliação e o fechamento do evento.

Enfim, planejar o evento "é ganhar agilidade no desempenho das fases acima citadas, é melhorar a eficiência na execução das tarefas, é mensurar com mais observância os resultados e ter referências para avaliá-los" (MARTIN, 2003, p. 73).

MARTIN, Vanessa. Manual Prático de Eventos. São Paulo: Atlas, 2003
Jean Martins
Parte Integrante do Manual do Núcleo de Eventos
Setembro de 2007

Evento

Evento é uma concentração ou reunião formal e solene de pessoas, realizado em data e local especial, com objetivo de celebrar acontecimentos importantes e significativos, estabelecendo contatos de natureza comercial, cultural, esportiva, social, familiar, religiosa e científica (ZANELLA, 2006).

Para Britto & Fontes (1997, p. 66), “Eventos são todos os acontecimentos previamente planejados, organizados e coordenados de forma a contemplar o maior número de pessoas em um mesmo espaço físico e temporal, com informações, medidas e projetos sobre uma idéia, ação ou produto, apresentando os diagnósticos de resultados e os meios mais eficazes para se atingir determinado objetivo”.

O evento é muito mais do que o planejamento, a programação, a execução e o monitoramento de uma seqüência de atividades destinadas a um público específico e realizadas em local apropriado. O evento deve ser pensado como uma atividade econômica e social que gera uma série de benefícios para os empreendedores, para as instituições, para a cidade promotora, para o comércio local, restaurantes, hotéis e para a comunidade (BRITO & FONTES, 2002).

Os eventos são, incontestavelmente, o maior e melhor meio de desenvolvimento nacional, do fomento da economia e da geração de empregos e, é visto que, autoridades governamentais, empresas privadas e diversos profissionais já estão cientes dos benefícios causados por tal atividade. O setor é responsável pela geração de grande número de empregos; entretanto, encontramos, no mercado de eventos, inúmeros profissionais, se aventurando, sem conhecimento sobre as peculiaridades do setor, muitas vezes, tal situação acarreta desilusões aos participantes, aos clientes e pode, ainda, não trazer os resultados esperados (FERNANDES, 2004).

Para Britto & Fontes (2002), “o profissional de eventos, entre outras qualidades, deve ser seguro, gerando confiança para o cliente e para os funcionários; disciplinado, respeitando prazos, verbas, reuniões; ter flexibilidade, aceitando sugestões, adequando propostas, mudando etapas de trabalho; ter raciocínio rápido, entendendo a capacidade, os anseios e as expectativas dos clientes e funcionários; ter preparo físico, disposição e saúde; ser realista, percebendo os limites, as opções e saber usá-las sabiamente; ter paciência infinita, exercendo o autocontrole e a serenidade”.

Jean Martins
Parte Integrante do Manual do Núcleo de Eventos
Setembro de 2007

quarta-feira, 17 de março de 2010